Ruben Fontes Neto

A primeira fase da Série A2 chegou ao fim. Apenas sete equipes – classificado, o Red Bull Brasil não pode subir – seguem em busca do acesso para o Paulistão. Destaques na fase inicial, o Oeste fez uma das melhores campanhas da história, enquanto o Água Santa terminou invicto. Por outro lado, Sertãozinho e EC São Bernardo voltam para a Série A3. Confira o que de principal aconteceu nas 15 primeiras rodadas:

O Oeste dominou o torneio na fase inicial. O time venceu os sete primeiros jogos e mostrou bastante consistência. Em nenhum jogo sofreu mais de um gol, enquanto o ataque só deixou de marcar na derrota para a Portuguesa – a única na competição – e na última rodada contra o Rio Claro. Foram 36 pontos dos 48 disputados, aproveitamento de 75%. Liderou em 13 das 15 rodadas e ainda teve o melhor ataque e a melhor defesa da primeira fase!

O segundo colocado foi o Água Santa que também teve marcas impressionantes. O time de Diadema não foi derrotado na competição e chegou a ficar sem sofrer gols nas sete primeiras partidas. Nos últimos oito jogos, porém, sofreu gols em sete e conseguiu apenas duas vitórias.

Não cotado entre os favoritos no início, o Rio Claro perdeu apenas duas partidas na primeira fase e ainda conseguiu vencer o arquirrival Velo Clube no clássico local. A equipe chega ao mata-mata acumulando cinco jogos sem sofrer gols e com Cesinha artilheiro da competição. (Clique aqui e saiba mais sobre o dérbi rioclarense)

Outro clássico citadino na primeira fase foi entre São Bernardo FC x EC São Bernardo. O resultado – vitória por 1×0 do FC – refletiu o que aconteceu no campeonato. O aurinegro conseguiu a classificação, enquanto o Cachorrão acabou rebaixado. A vitória no dérbi foi umas das poucas do time na primeira fase, já que dos 15 jogos, o time empatou oito. (Clique aqui e veja outros confrontos locais com times homônimos)

O que também vale nota é a mudança de rumo nas campanhas de XV de Piracicaba e Portuguesa. Quando o campeonato foi paralisado, o XV dividia a liderança com Oeste e Água Santa com 100% de aproveitamento em quatro jogos. Já a Portuguesa somava apenas dois pontos. Nas últimas 11 rodadas, o alvinegro somou nove pontos – só foi melhor que o Sertãozinho – e avançou em oitavo, após não vencer os últimos oito jogos, somente por conta do gol marcado pelo São Bernardo FC, que tirou o Velo Clube. A Portuguesa, por sua vez, fez 20 pontos – pior apenas que o Oeste – e conseguiu a classificação mesmo estando no G8 em apenas três rodadas contra sete da xará santista e seis do Juventus.

Por fim, vale destacar a disputa pela artilharia. 13 jogadores marcaram quatro gols ou mais. Os principais artilheiro são Raphael Luz, da Portuguesa e Cesinha, do Rio Claro, com seus gols cada.

Confira os números e curiosidades do torneio:

Jogos: 120
Vitória dos mandantes: 43 (35,8%)
Vitória dos visitantes: 33 (27,5%)
Empates: 44 (36,7%)
Placar mais frequente: 0x0 e 1×1 (14)
Maior goleada: EC São Bernardo 0x5 Portuguesa
Jogo com mais gols: Rio Claro 4×3 Velo Clube

Melhor mandante: Oeste – 83,3% (20pts/8J)
Melhor visitante: Oeste – 76,2% (16pts/7J)
Maior sequência de vitórias: Oeste – 7
Maior sequência invicta: Água Santa – 15 (em andamento)
Maior sequência de empates: Água Santa Atibaia, Juventus, Rio Claro, São Bernardo FC – 3
Maior sequência de derrotas: EC São Bernardo, Red Bull Brasil e Sertãozinho – 4
Maior sequência sem vencer: Sertãozinho – 14

Gols: 244 (média 2,03 por jogo)
Gols de mandantes: 128 (52,5%)
Gols de visitantes: 116 (47,5%)
Gols no primeiro tempo: 113 (46,3%)
Gols no segundo tempo: 131 (63,7%)
Gols de pênalti: 29
Gols de falta: 7
Gols contra: 1

Melhor ataque: Oeste – 24 gols (média 1,60)
Mais jogos em que marcou gols: Água Santa, Oeste e São Bernardo FC – 13
Maior sequência de jogos marcando gols: Oeste – 8
Melhor defesa: Oeste – 8 gols sofridos (média 0,53)
Mais jogos sem sofrer gols: Rio Claro e Água Santa – 8
Maior sequência de jogos sem sofrer gols: Água Santa – 7

Rodadas na liderança: Oeste (12) e Água Santa (3)
Rodadas no G8: Oeste, Água Santa, Rio Claro, Atibaia e XV de Piracicaba (15), São Bernardo FC (14), Red Bull Brasil (12), Portuguesa Santista (7), Juventus (6), Portuguesa (3), Velo Clube e Monte Azul (2)
Rodadas na zona de rebaixamento: EC São Bernardo (14), Sertãozinho (11), Taubaté e Osasco Audax (3)

Artilharia
6 gols: Cesinha (Rio Claro) e Raphael Luz (Portuguesa)
5 gols: Ramires (Red Bull Brasil) e Romarinho (Velo Clube)
4 gols: Denilson e Jair (Rio Claro), Ermínio (Portuguesa), Kauã Jesus, Léo Artur e De Paula (Oeste), Léo Castro (São Bernardo FC), Luiz Fernando (Taubaté) e Will (Juventus)

Curiosidades
A classificação levando em conta apenas os jogos entre os classificados é quase igual à original: Oeste (12pts), Água Santa (11), Rio Claro (10), Atibaia (9), São Bernardo FC (8), XV de Piracicaba (7), Portuguesa e Red Bull Brasil (6).

Classificação após o retorno do campeonato (11 jogos): Oeste (24pts), Portuguesa (20), Rio Claro e Água Santa (19), Atibaia (18), São Bernardo FC (17), Velo Clube (16), Red Bull Brasil (15), Taubaté e Osasco Audax (13), Juventus e Portuguesa Santista (11), Monte Azul (10), EC São Bernardo e XV de Piracicaba (9) e Sertãozinho (7).

Apenas Água Santa e Oeste não perderam como mandantes. O time de Diadema também foi o único a não perder fora. Já Taubaté e Sertãozinho não venceram em seus domínios, enquanto o Velo Clube não venceu nenhuma longe de Rio Claro.

Osasco Audax e Taubaté foram os que tiveram o pior aproveitamento contra os rebaixados: apenas um ponto conquistado. Por outro lado, dos times eliminados, foram os que mais somaram pontos contra os oito classificados: 10 e 9, respectivamente.

Apenas seis partidas foram definidas por mais de dois gols de diferença entre as equipes

Dos 224 gols do torneio, 23 (10,3%) saíram nos acréscimos do segundo tempo.

Nenhum jogador conseguiu fazer três gols em uma mesma partidas

Cesinha, do Rio Claro, foi quem mais conseguiu marcar em jogos diferentes (6).

Artilheiro da competição, Raphael Luz marcou três dos seus sete gols cobrando pênalti (e um no rebote). A Lusa foi quem mais converteu penalidades na primeira fase (5), enquanto o Taubaté foi quem mais sofreu gols de pênaltis (4).

Rebaixado, o Sertãozinho foi quem mais marcou gols de falta. Foram dois no torneio.

Oficialmente, o único gol contra da competição foi marcado pelo zagueiro Lucas Cunha, do Velo Clube, no clássico contra o Rio Claro. Foi justamente o gol que determinou a derrota por 4×3. Além da derrota no dérbi, ainda custou a classificação ao clube, que somaria mais um ponto e ficaria em 8º.

Deixe uma resposta