PROGRAMA DO PAULISTÃOPLAY ERRA PALPITES E DÁ PREJUÍZO A APOSTADORES

O PaulistãoPlay, plataforma de streaming da Federação Paulista de Futebol e principal novidade da entidade em 2021, recebeu um patrocínio da empresa de apostas Betsul. Com isso, dentro da plataforma, o usuário tem acesso ao programa ‘Quebrando a Banca’, que dá informações sobre jogos da Série A2 e promete ajudar os apostadores. Em seis episódios, porém, o índice de acerto das ‘dicas’ dos apresentadores ficou bem abaixo do esperado e quem seguiu ficou no prejuízo.

Continuar lendo “PROGRAMA DO PAULISTÃOPLAY ERRA PALPITES E DÁ PREJUÍZO A APOSTADORES”

ATLETAS E TÉCNICOS DAS DIVISÕES DE ACESSO FALAM SOBRE POSSÍVEL PARALISAÇÃO DO FUTEBOL

O crescente número dos casos de covid-19 no Brasil volta a deixar o futebol em xeque. Após uma paralisação de quatro meses em 2020, o futebol paulista volta a conviver com uma ameaça de uma nova parada. O Ministério Público já prepara uma carta para a CBF pedindo a suspensão de todos os campeonatos. Não se sabe se a paralisação, se acatada, seria imediata ou após a rodada a ser disputada no próximo fim de semana. A FPF se mostra contrária, mesmo com os casos ocorrendo em diversos clubes.

Em contato com alguns atletas e treinadores das divisões de acesso do Campeonato Paulista, o 1902futebol apurou que grande parte é contraria a uma nova paralisação. De acordo com o protocolo da FPF, atletas e comissões técnicas são testados toda semana

Alex Reinaldo, atleta do Água Santa, comentou sobre o protocolo seguido pelos clubes. “Sou totalmente contra. Sei que vivemos um momento difícil, mas fazemos exames toda semana, então se há alguém seguro somos nós atletas, porque estamos nos prevenindo”, disse.

Técnico do XV de Piracicaba, Moisés Egert espera que os profissionais possam ser ouvidos antes de qualquer decisão ser tomada. “É um efeito dominó. Quando que vai voltar se parar? Temos que trabalhar. O nosso ambiente, com protocolo, exames, eu acho que é o ideal. O trabalho é o local mais seguro nosso. Sei que o momento é delicado, tem gente morrendo. O que não pode é se impor. Tem que perguntar para nós o que queremos. Pelo que tenho conversado com amigos treinadores, mesmo que seja dividido, a maioria ia prevalecer. As entidades que cuidam do futebol tem que mostrar apoio aos protocolos. Colocar a mão no bolso, manter as competições, os empregos de quem trabalha e precisa honrar os seus compromissos. Os estaduais precisam continuar. Caso haja muitos casos em um clube, que se adie a partida para ninguém ser severamente prejudicado”, declarou.

Também antes da estreia da Série A3, o técnico Fahel Júnior também opinou. “Sou a favor da paralisação do futebol, mas tem que parar tudo. Não adianta parar o futebol e o resto continuar funcionando. Estamos perdendo amigos, não me sinto seguro. A Série A3 ainda não começou. Está na mão da federação. Não adianta começar sábado e paralisar em seguida. Tivemos dois casos de covid no elenco. Um dos casos, o atleta testou negativo na sexta, mas se sentiu mal durante essa semana, fez um novo teste particular e deu positivo. Estava relacionado e iria viajar conosco. O protocolo é bom, mas há falhas”, contou.

Após o início do Paulistão e do Paulistão A2, alguns clubes já tiveram casos positivos de covid. O Corinthians sofre com um surto que já atinge 21 pessoas no departamento de futebol. A Ponte Preta divulgou hoje que quatro atletas também testaram positivo. O Santos, que tinha Marinho em quarentena, também informou que Pará testou positivo. O Rio Claro teve desfalques na primeira rodada e já tem mais casos confirmados, incluindo o técnico Alberto Felix. O Taubaté também confirmou que o meia Marcelinho testou positivo em teste realizado na segunda-feira. Ele esteve em campo no dia seguinte em jogo contra o Red Bull Brasil. O resultado saiu apenas nesta quinta-feira.

O Regulamentos Geral dos torneios da FPF cita W.O. caso os times não possam atuar. O capítulo I, parágrafo 4º diz: A equipe que causar a não realização de uma partida por descumprimento dos Protocolos de Treinamentos e de Operação de Jogos, a exemplo da falta de Atletas em condições de saúde para sua disputa, será punível com W.O., sem prejuízo de eventual sanção disciplinar, após oportuna apreciação do caso pela Justiça Desportiva.

ATUALIZAÇÃO
Em 11 de março, o governador João Dória declarou que seguirá uma recomendação do Ministério Público de São Paulo e os jogos em todo o Estado de São Paulo estão proibidos por 15 dias a partir de segunda-feira (15). As equipes seguirão em treinamentos. Com isso, os jogos Marília x Criciúma-SC e Mirassol x Red Bull Bragantino, válidos pela primeira fase da Copa do Brasil deverão ocorrer em outros Estados. A FPF disse que uma nova tabela será debatida na segunda-feira, após reunião com o Governo e MP e posteriormente com os clubes.