IBRACHINA E MAIS… QUANTOS TIMES A CIDADE DE SÃO PAULO PODERIA TER?

Com população estimada em mais de 12 milhões de habitantes, a cidade de São Paulo é a oitava mais populosa do mundo. Ainda assim, o município está longe dos números de outras metrópoles quando o assunto é quantidade de clubes profissionais. O 1902futebol traz um levantamento inédito e mostra que a cidade poderia ter muito mais clubes e ficar mais próxima de outros centros como Buenos Aires, Montevidéu e Londres, por exemplo.

Continuar lendo “IBRACHINA E MAIS… QUANTOS TIMES A CIDADE DE SÃO PAULO PODERIA TER?”

CAMPEONATO BRASILEIRO: FUTEBOL PAULISTA SOMA 52 TÍTULOS EM TODAS AS DIVISÕES

Ruben Fontes Neto

As quatro divisões do Campeonato Brasileiro começaram nesta semana e o futebol paulista conta com 17 representantes em busca dos títulos nacionais de 2021. Na história, são 52 conquistas dos clubes de São Paulo, com 18 equipes diferentes, e a liderança do ranking geral em todos os torneios.

Continuar lendo “CAMPEONATO BRASILEIRO: FUTEBOL PAULISTA SOMA 52 TÍTULOS EM TODAS AS DIVISÕES”

SÃO PAULO VENCE PAULISTÃO 2021 E QUEBRA SEU MAIOR JEJUM DE TÍTULOS ESTADUAIS

O São Paulo é o campeão paulista de 2021. A equipe tricolor derrotou o Palmeiras na final por 1 a 0 e conquistou o seu 22º título do Paulistão. A conquista quebra um tabu de 15 anos, o maior da história do clube, e deixa o Tricolor em igualdade com o Santos em número de conquistas.

Continuar lendo “SÃO PAULO VENCE PAULISTÃO 2021 E QUEBRA SEU MAIOR JEJUM DE TÍTULOS ESTADUAIS”

APENAS O SEGUNDO NA FINAL, CHOQUE-REI DECIDE O PAULISTÃO PELA OITAVA VEZ

Ruben Fontes Neto

São Paulo e Palmeiras são os finalistas do Paulistão 2021. O confronto entre os rivais tricolores e alviverdes ocorrerá apenas pela segunda vez na finalíssima do campeonato. Na primeira, há 29 anos, o São Paulo contou com um show de Raí e levou a melhor. Em outras seis oportunidades o confronto definiu o campeonato, e aí a vantagem é palmeirense, com quatro vitórias contra duas do Tricolor.

Continuar lendo “APENAS O SEGUNDO NA FINAL, CHOQUE-REI DECIDE O PAULISTÃO PELA OITAVA VEZ”

PAULISTÃO: PRIMEIRA FASE TEM SÃO PAULO DOMINANTE, NOVORIZONTINO PREJUDICADO E DUPLA IOIÔ

Ruben Fontes Neto

A primeira fase do Paulistão chegou ao fim definindo os oito classificados para o mata-mata da competição e também os dois rebaixados para a Série A2 da próxima temporada. O maior destaque da fase inicial, no entanto não está em nenhum desses grupos. O Santos terminou em 3º lugar da sua chave e está eliminado. O time alvinegro, porém, sai até no lucro já que entrou na última rodada com chance de queda. Já o Novorizontino, mais uma vez faz uma boa campanha, mas fica de fora por conta do regulamento.

Continuar lendo “PAULISTÃO: PRIMEIRA FASE TEM SÃO PAULO DOMINANTE, NOVORIZONTINO PREJUDICADO E DUPLA IOIÔ”

COPA DO BRASIL: PAULISTAS CONHECEM ADVERSÁRIOS DA TERCEIRA FASE

Os cinco representanrts paulistas que seguem vivos na Copa do Brasil conheceram os adversários da terceira fase. Atual campeão, o Palmeiras fará sua estreia no torneio diante do CRB-AL. Santos e São Paulo também iniciam a competição nesta etapa e enfrentarão Cianorte-PR e 4 de Julho-PI, respectivamente.

Após eliminar Mirassol e Luverdense-MT, o Red Bull Bragantino encarará o Fluminense. O time de Bragança Paulista era o único dos paulistas no Pote 2. Por fim, o Corinthians enfrentará o Atlético Goianiense. Nas fases anteriores o alvinegro eliminou Salgueiro-PE e Retrô-PE.

Dos cinco confrontos, apenas o Corinthians decidirá a vaga fora de casa. Veja abaixo os 16 confrontos da terceira fase:

SUPERLIGA DE SÃO PAULO? RELEMBRE QUANDO O INTERIOR PAULISTA SOFREU COM O ELITISMO

A criação da Superliga europeia reunindo 12 dos principais clubes do continente agitou o mundo do futebol. Sem rebaixamento dos fundadores, convites para um grupo exclusivo e muito dinheiro para os envolvidos. A ideia elitista, porém, não é novidade no futebol e mesmo os clubes paulistas menores já sofreram com isso. Confira abaixo algumas das vezes em que criou-se uma ‘Superliga de São Paulo’.

Continuar lendo “SUPERLIGA DE SÃO PAULO? RELEMBRE QUANDO O INTERIOR PAULISTA SOFREU COM O ELITISMO”

SÃO PAULO LIDERA PAULISTÃO EM TODAS AS CLASSIFICAÇÕES POSSÍVEIS

O Paulistão está todo bagunçado, mas uma coisa não tem mudança: o São Paulo é o líder seja qual seja a classificação. Ao vencer o Palmeiras, por 1 a 0, no Choque-Rei, o Tricolor chegou aos 19 pontos ganhos, tendo também o melhor aproveitamento de pontos disputados (79,2%).

Continuar lendo “SÃO PAULO LIDERA PAULISTÃO EM TODAS AS CLASSIFICAÇÕES POSSÍVEIS”

PALMEIRAS DEIXA A RECOPA SUL-AMERICANA ESCAPAR E PERDE A CHANCE DE IGUALAR OS RIVAIS

O Palmeiras chegou perto, mas perdeu o título da Recopa Sul-Americana. Após vencer a partida de ida contra o Defensa y Justicia, na Argentina, por 2 a 1, o Verdão enfrentou novamente o adversário e saiu na frente, mas tomou a virada e teve o placar devolvido no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Na prorrogação, o time paulista ainda desperdiçou um pênalti. Nas penalidades, o time argentino acertou todas as cobranças e venceu por 4 a 3. Sem o título, o Palmeiras não consegue igualar Corinthians, Santos e São Paulo, que já conquistaram a recopa continental.

Continuar lendo “PALMEIRAS DEIXA A RECOPA SUL-AMERICANA ESCAPAR E PERDE A CHANCE DE IGUALAR OS RIVAIS”

PAULISTÃO-1991: COMO SÃO PAULO FOI DE ‘REBAIXADO’ A CAMPEÃO

Ruben Fontes Neto

O início dos anos 90 foi uma das épocas mais vitoriosas da história do São Paulo. Campeão da Libertadores e Mundial em 1992 e 1993, o Tricolor ainda faturou o Brasileiro de 1991. No meio das conquistas, o time comandado por Telê Santana ganhou também o Paulistão de 1991. A conquista, porém, até hoje é marcada pelo mito de que a equipe teria caído em 1990. Entenda o que aconteceu e como o São Paulo passou de ‘rebaixado’ a campeão.

>>> Siga o 1902futebol no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube <<<

A origem ocorre no Paulistão de 1987, que teve problemas judiciais. A FPF, então, resolveu inchar a elite paulista. De 20 equipes em 1988, o torneio passou para 22 no ano seguinte, 24 em 1990 e, finalmente, 28 em 1991. Para alocar tantos clubes, eles eram divididos em dois grupos. Em um deles, ficavam as equipes consideradas mais fortes, enquanto as restantes integravam a outra chave. Para não repetir os mesmos times, de um ano para outro havia acesso e rebaixamento entre os grupos; Não havia, porém, queda de divisão.

Como o São Paulo foi parar no Grupo B?

Se você acha que o regulamento atual do estadual é confuso, em 1990, era muito mais. Os 24 participantes eram divididos em dois grupos de 12 equipes cada. Apesar disso, na primeira fase, os times jogaram todos contra todos, acumulando 23 jogos.

O regulamento previa que os três primeiros de cada chave avançavam para a fase seguinte, sendo que o campeão de cada grupo garantia vaga na Copa do Brasil de 1991. Por conta disso, Bragantino e Novorizontino, campeão e vice ao final, ficaram de fora do torneio nacional.

Sendo assim, Corinthians, Palmeiras, Bragantino, XV de Piracicaba, XV de Jaú e Ferroviária se classificaram. Outras seis vagas eram dadas para os times que tivessem a melhor campanha, independente da chave. Nesse critério, Ituano, América, Santos, Mogi Mirim e Portuguesa avançaram de forma direta. Com 23 pontos, o São Paulo ficou de fora, mas ainda teve uma segunda chance, já que o regulamento previa uma repescagem entre as outras 12 equipes.

Naquele ano, aconteceu a Copa da Itália. Obviamente, a FPF decidiu seguir com o seu torneio. Enquanto o Brasil se preparava para o Mundial, o São Paulo iniciava então a repescagem para a segunda fase do Paulistão. As 12 equipes foram divididas em dois grupos que jogavam em dois turnos. Apenas o líder de cada seguia no torneio. Após fracassar na fase inicial, o São Paulo novamente não conseguiu a classificação para a segunda fase. Com isso, em 1991, as 14 equipes do Grupo Verde foram os times que chegaram na segunda fase de 1990. Assim, o São Paulo foi parar no Grupo Amarelo.

Caminho facilitado

Após o fiasco de 1990 e um início ruim no Brasileirão, o São Paulo trocou o comando técnico. O uruguaio Pablo Forlán deixou a equipe para a chegada de Telê Santana. Com o novo técnico, o Tricolor foi vice-campeão brasileiro de 1990. No ano seguinte, o calendário se inverteu. O nacional foi disputado no início do ano. O São Paulo foi o campeão em 9 de junho e quando o Paulistão teve início, no dia 24 do mês seguinte, a equipe do Morumbi já era a favorita.

Diferentemente do ano anterior, na primeira fase os times jogavam dois turnos dentro do próprio grupo para definir os classificados. Diante das equipes consideradas mais fracas, o São Paulo não teve dificuldades. Em 26 jogos, foram 17 vitórias, oito empates e apenas uma derrota.

Outra mudança de regulamento foi o número de classificados, que caiu para oito (5 do Grupo Verde e 3 do Grupo Amarelo). Eles foram divididos em dois grupos de quatro. De um lado, Corinthians, Portuguesa, Inter de Limeira e Santo André. De outro, São Paulo, Palmeiras, Guarani e Botafogo.

São Paulo e Palmeiras chegaram empatados em oito pontos na rodada final. O Tricolor tinha três vitórias e dois empates, enquanto o alviverde tinha quatro vitórias e uma derrota – exatamente para o rival. O regulamento, porém, previa que em caso de empates em pontos prevaleceria a melhor campanha na fase anterior. Enquanto palmeirenses questionam a vantagem do rival até hoje, por estar em um grupo mais fraco, os são-paulinos seguraram o empate em 0 a 0 para garantir vaga na decisão contra o Corinthians.

Raí brilha na final

A decisão opôs os finalistas do Campeonato Brasileiro de 1990. Ambas as partidas foram disputadas no Morumbi. No jogo de ida, Raí brilhou e marcou três vezes, dando larga vantagem ao Tricolor contra o Corinthians. O camisa 10, inclusive, foi o artilheiro da competição marcando 20 gols durante a campanha.

O São Paulo só não seria campeão caso perdesse o jogo de volta no tempo normal e também fosse derrotado na prorrogação – não havia saldo de gols –, porém, um empate sem gols coroou a conquista são-paulina.

O time tricolor ainda conquistaria o bicampeonato estadual em 1992, além de iniciar uma série de conquistas internacionais que marcaram a história do clube.

APENAS OITO EQUIPES JÁ DERROTARAM OS QUATRO GRANDES EM UMA MESMA EDIÇÃO DO PAULISTÃO

Por Ruben Fontes Neto

Os grandes Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo são, sem dúvidas, os mais temidos times a serem enfrentados no Paulistão. Maiores vencedores do estadual, eles levam vantagem histórica sobre os demais concorrentes. Vencê-los uma vez já é motivo de comemoração. As equipes que venceram os quatro ao longo da história já consideram uma glória. Porém, apenas oito equipes do futebol paulista fizeram a quadra sobre os grandes em uma única edição do Paulistão. Confira abaixo quem são.

>>> Siga o 1902futebol no Instagram
>>> Siga o 1902futebol no Twitter

A Portuguesa Santista estreou no Paulistão em 1929, mas somente em 1935 passou, de fato, a fazer parte da elite estadual. Naquele mesmo ano, o Santos faturava seu primeiro Campeonato Paulista. No ano seguinte, então, cada um do quarteto detinha ao menos um título da elite estadual pela primeira vez. O Corinthians somava 8 conquistas, o Palmeiras 5 e o São Paulo tinha sido campeão em 1931. No entanto, isso não amedrontou a Portuguesa Santista, que se tornou o primeiro time a vencer os quatro em uma edição do Paulistão. Ao final do torneio, a equipe rubro-verde foi 3ª colocada.

Somente após 16 anos o feito voltou a acontecer. Quinta força do futebol paulista na metade do século passado, a Portuguesa conseguiu pela primeira vez derrotar os seus maiores rivais em uma mesma edição do Paulistão em 1952. Embalada, a rubro-verde ainda voltaria a repetir o feito em mais quatro ocasiões: 1960 (vice-campeã), 1964 (3ª colocada), 1975 (vice-campeã) e 1977 (3ª).

Além da Portuguesa, o Guarani também conseguiu derrotar os quatro grandes em 1964. Bem estabelecido na elite, o Bugre foi apenas o sétimo colocado naquela edição. Apesar disso, a campanha entrou para a história ao conseguir derrotar os maiores vencedores do torneio com direito a 5 a 1 sobre o Santos de Pelé, que perdeu um pênalti na partida.

Quem mais?

Com um grande time, a Ferroviária fez bela campanha em 1969 e terminou em sexto lugar. Jogando duas vezes contra cada um dos grandes, conseguiu fazer a quadra o que a deixou com chances de classificação para o quadrangular final faltando seis rodadas. O time, porém, sofreu uma queda de rendimento nos últimos jogos e não conseguiu se infiltrar na disputa pela taça.

Em 1978, o Guarani foi campeão brasileiro. Logo após o torneio, houve a disputa do Paulistão. O Bugre manteve a boa fase e fez ótima campanha no estadual, vencendo novamente os principais concorrentes pelo título. Na semifinal, entretanto, acabou derrotado pelo Santos e dando adeus ao campeonato.

Em 1980, duas equipes alvinegras entraram para o seleto grupo. A Inter de Limeira, em apenas seu segundo ano na elite, surpreendeu e terminou em sexto lugar com direito a vitórias sobre Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo. Já o Comercial foi apenas o 10º, mas também conseguiu derrotar o quarteto.

O alvinegro de Ribeirão Preto conseguiria um feito inédito em 1981, quando mais uma vez derrotou os quatro grandes. Pela primeira vez um clube conquistava a marca de forma consecutiva. Além do Comercial, o arquirrival Botafogo, o Guarani e o São José também conseguiram vencer Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo. Assim, pela primeira vez quatro equipes conseguiam fazer a ‘quadra’ em uma mesma edição. Apesar disso, o São Paulo foi o campeão.

Campeões prejudicados

A lista poderia contar com mais dois elementos que foram campeões paulistas. Em 2004, o São Caetano faturou o título após 15 jogos. Porém, como estava em grupo diferente do que o Corinthians na primeira fase, não enfrentou o alvinegro, que não se classificou para o mata-mata.

Já o Ituano, campeão de 2014, estava no mesmo grupo do Corinthians, mas o regulamento previa que eles só se enfrentariam nas quartas de final. O time alvinegro foi o terceiro da chave, atrás também do Botafogo, e ficou de fora do caminho.

Tanto São Caetano quanto Ituano venceram Palmeiras, Santos e São Paulo na campanha dos títulos estaduais.

Próximo da lista

Com o Paulistão 2021 paralisado após quatro rodadas disputadas, quem, em tese, está mais próximo é o Novorizontino, que derrotou o São Paulo. Essa, inclusive, é a única derrota do quarteto fora dos clássicos no estadual. O time aurinegro ainda enfrenta Corinthians e Santos na primeira fase e, se conseguir se classificar, poderia encarar o Palmeiras nas quartas de final.

Vale destacar, porém, que todas as outras 11 equipes ainda têm chances considerando os confrontos restantes da primeira fase e possíveis cruzamentos do mata-mata.

Grandes do Paulistão

PAULISTÃO: APÓS PRIMEIRO TERÇO QUASE COMPLETO, GRUPO C SE DESTACA

O Paulistão teve sua quarta rodada disputada no fim de semana, completando um terço do campeonato. Apenas a partida entre Palmeiras e São Bento, válida pela terceira rodada, falta ser disputada. Até o momento, os times do Grupo C se destacam, estando todos no G8 da classificação geral.

Com a vitória do fim de semana e o tropeço do São Paulo, o Red Bull Bragantino assumiu a liderança do torneio com oito pontos. Porém, com um jogo ainda por fazer, o Palmeiras soma sete e tem o melhor aproveitamento até o momento. Além dos dois, Corinthians e Mirassol, que também têm oito pontos, são os outros invictos do torneio.

Por outro lado, São Bento, São Caetano e Botafogo ainda não sabem o que é vencer. O time de São Caetano do Sul ainda tem o pior ataque da competição, sem ter marcado nenhum gol até o momento.

Confira os números do Paulistão após a 4ª rodada:

Jogos: 31
Vitória de Mandantes: 12
Vitória de Visitantes: 8
Empates: 11
Resultado mais frequente: 1×1 (6)
Maior goleada: Ferroviária 5×0 Botafogo (3ª rodada)

Gols: 66 (média 2,13)
Gols de mandantes: 37
Gols de visitantes: 29
Gols no 1º tempo: 37
Gols no 2º tempo: 29

Melhor ataque: São Paulo (10 gols marcados)
Pior ataque: São Caetano (0 gols marcados)
Melhor defesa: Red Bull Bragantino (média 0,50 – 2GS / 4J)
Pior defesa: Botafogo e Santos (8 gols sofridos)

Artilharia
4 gols: Bruno Mezenga (Ferroviária)
2 gols: Fabricio Daniel (Mirassol), Gabriel Sara, Rojas e Pablo (São Paulo), Lucas Lima (Palmeiras), Mateus Vital (Corinthians) e Vitinho (Red Bull Bragantino)

COPA DO BRASIL: COM ESTREIAS DE MARÍLIA E MIRASSOL, FUTEBOL PAULISTA CHEGARÁ A 36 REPRESENTANTES NA HISTÓRIA

A Copa do Brasil 2021 começa nesta quarta-feira para o futebol paulista com a Ponte Preta visitando o Gama-DF. Além da Macaca, a edição de 2021 ainda terá Palmeiras, Santos e São Paulo, que entram na segunda fase, e Corinthians, Red Bull Bragantino, Marília e Mirassol, que também iniciam na fase inicial. Os dois últimos farão as suas estreias na competição elevando o número de participantes paulistas na história para 36.

Palmeiras e Corinthians são os recordistas de participações, com 25 cada. O Verdão conquistou o seu quarto título no último fim de semana, enquanto o alvinegro soma três conquistas. São Paulo, Santos, Portuguesa, Ponte Preta e Guarani são os outros times que acumulam mais de 10 participações. Desses, apenas o Santos foi campeão. Os outros títulos paulistas foram conquistados por Santo André e Paulista.

Confira abaixo todos os participantes paulistas na história da Copa do Brasil:

GOLEADAS E PRIMEIRO HAT-TRICK MARCAM 3ª RODADA DO PAULISTÃO

A 3ª rodada do Paulistão foi marcada por goleadas. No clássico San-São, o Tricolor não tomou conhecimento do rival alvinegro e fez seu segundo 4 a 0 consecutivo – na rodada passada a vítima foi a Inter de Limeira -, enquanto a Ferroviária aplicou a maior goleada do estadual diante do Botafogo.

Dos 22 jogos realizados até o momento, 10 (45,4%) terminaram empatados. Por conta disso, oito equipes ainda não sabem o que é perder, enquanto sete não ganharam.

Com duas goleadas seguidas, o São Paulo tem o melhor ataque com nove gols. Já o São Caetano é o único time que ainda não balançou as redes. Autor de três gols na vitória de 5 a 0 da Ferroviária sobre o Botafogo, Bruno Mezenga se isolou na artilharia com quatro gols marcados.

Confira os números do Paulistão:

Jogos: 22

Vitória de Mandantes: 6

Vitória de Visitantes: 6

Empates: 10

Resultado mais frequente: 1×1 (6)

Maior goleada: Ferroviária 5×0 Botafogo (3ª rodada)

Gols: 49 (média 2,23)

Gols de mandantes: 25

Gols de visitantes: 24

Gols no 1º tempo: 27

Gols no 2º tempo: 22

Melhor ataque: São Paulo (9 gols marcados)

Melhor defesa: São Paulo, Ferroviária, Ituano e Red Bull bragantino (1 gol sofrido)

Artilharia

4 gols: Bruno Mezenga (Ferroviária)


2 gols: Fabricio Daniel (Mirassol), Gabriel Sara e Pablo (São Paulo), Mateus Vital (Corinthians) e Vitinho (Red Bull Bragantino)

Confira a classificação


PAULISTÃO: ITUANO 100% E VISITANTES COM LARGA VANTAGEM APÓS DUAS RODADAS

O ‘fator casa’ não fez a diferença nas duas primeiras rodadas do Paulistão. Em 15 jogos realizados, apenas duas vezes os mandantes venceram. Na segunda rodada, apenas o Ituano conseguiu vencer em seu estádio. O time rubro-negro, inclusive, é o único 100% na competição.

Se na primeira rodada os visitantes venceram três jogos, a marca foi ainda melhor nesta segunda. Dos oito jogos realizados, foram quatro vitórias de quem atuou fora de casa. Destaque para o São Paulo, que goleou a Inter de Limeira por 4 a 0.

O Ituano é o único time que venceu os dois jogos que fez na competição. Após terem o jogo da rodada inicial, Palmeiras e São Caetano estrearam com empate e derrota, respectivamente. Sem ser vazado, o time de Itu ainda tem a melhor defesa ao lado do Red Bull Bragantino. O melhor ataque é do São Paulo, com cinco gols.

A artilharia também começa a ter seus primeiros nomes a se destacar. Fabrício Daniel, do Mirassol, foi o único jogador a marcar nas duas rodadas disputadas. Ele divide a ponta com Vitinho, que marcou os dois gols do Red Bull Bragantino na vitória contra o São Caetano.

Confira os números do Paulistão após a segunda rodada:

Jogos: 15*
Vitória de Mandantes: 2
Vitória de Visitantes: 6
Empates: 7
Resultado mais frequente: 1×1 (4)

*o jogo Palmeiras x São Caetano será disputado em 11/03

Gols: 32 (média 2,13)
Gols de mandantes: 11
Gols de visitantes: 21
Gols no 1º tempo: 18
Gols no 2º tempo: 14
Melhor ataque: São Paulo (5 gols marcados)
Melhor defesa: Ituano e Red Bull Bragantino (0 gols sofridos)

Artilheiros
2 gols: Fabrício Daniel (Mirassol) e Vitinho (Red Bull Bragantino)